BLOG DE NOTÍCIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA.....ARAÇATUBA- SP

Atenção

"AS AFIRMAÇÕES, INFORMAÇÕES E PARECERES PUBLICADOS NESTE BLOG SÃO DE RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DE QUEM OS ELABOROU, ASSINA E OS REMETEU PARA PUBLICAÇÃO. FICA A CRITÉRIO DO RESPONSAVEL PELO BLOG A PUBLICAÇÃO OU NÃO DAS MATÉRIAS, COMENTÁRIOS OU INFORMAÇÕES ENCAMINHADOS."

segunda-feira, 27 de abril de 2020

BOLETIM DIÁRIO DE NOTÍCIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA. 28-04-2020.

CLICAR AQUI:
http://www.noticiasespiritas.com.br/2020/ABRIL/28-04-2020.htm

http://www.noticiasespiritas.com.br/2018/NOVEMBRO/01-11-2018_arquivos/image011.jpg
Retrato imaginário de Homero executado em mármore do Monte Pentélico, Grécia. Séc. I- II d.C. Encontrado em Roma.
Exposto no Museu do Louvre, Paris. Foto Ismael Gobbo


Homero (em gregoὍμηροςtransl. Hómēros) foi um poeta épico da Grécia Antiga, ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia.
Os gregos antigos geralmente acreditavam que Homero era um indivíduo histórico, mas os estudiosos modernos são céticos: nenhuma informação biográfica de confiança foi transmitida a partir da antiguidade clássica,[1] e os próprios poemas manifestamente representam o culminar de muitos séculos de história contadas oralmente e um bem desenvolvido sistema já muitas vezes usado de composição poética. De acordo com Martin West, "Homero" não é "o nome de um poeta histórico, mas um nome fictício ou construído".[2] Para o historiador e filósofo Richard Tarnas, Homero - independentemente da polêmica sobre sua existência histórica - foi "uma personificação coletiva de toda a memória grega antiga".[3]
Homero teria nascido em Esmirna, atual Turquia, ou em alguma ilha do mar Egeu e vivido no século VIII a.C. Mas a sua origem é tão controversa que oito cidades disputam a honra de terem sido a terra natal do poeta.[4]
Leia mais:
Helena de Tróia. Pintura de Evelyn de Morgan.

Ilíada
Ilíada (em grego antigo: Ἰλιάς, IPA[iːliás]) é um dos dois principais poemas épicos da Grécia Antiga, de autoria atribuída ao poeta Homero, que narra os acontecimentos decorridos no período de 51 dias durante o décimo e último ano da Guerra de Troia, conflito empreendido para a conquista de Ílio ou Troia, cuja gênese radica na ira (μῆνις, mênis) da Aquiles.[1][2]
Ilíada é atribuída a Homero, que se julga ter vivido por volta do século VIII a.C.,[2] na Jônia (atualmente região da Turquia), e constitui o mais antigo e extenso documento literário grego (e ocidental) existente. Ainda hoje, contudo, se discute a verdadeira autoria e a existência real de Homero (nascido ou em Quios, Grécia ou em Esmirna, Turquia).[3]
Leia mais:
https://lh3.googleusercontent.com/proxy/TEYLTcoWS9ao_PnXS7rjBIA-ETgfButx_Q07ba1UXtM0jlmLkdaZxD6v9wSvTdt3p3_vUfPSFFn5zwaRU2eOMotcbMttF_e1oucSeNSk3QFxVcgzUJUybAuPHZARqO8_wUiD-1DZ=s0-d
Purgatório. Dante, guiado por Virgílio, oferece consolação às almas dos invejosos. Óleo sobre tela de Hippolyte Flandrin.
Imagem/fonte: 


Purgatorio ( pronunciado  [purɡatɔːrjo] ; Italiana para " Purgatório ") é a segunda parte de Dante 's divina comédia , seguindo o inferno , e que precede o Paradiso . O poema foi escrito no início do século XIV. É uma alegoria que conta a subida de Dante ao Monte do Purgatório , guiada pelo poeta romano Virgílio , exceto pelos últimos quatro cantos em que Beatrice assume o cargo de guia de Dante.

Lago Avernus. Enéias e a sibila de Cumas. Óleo sobre tela de JMW Turner


Eneias ou Eneas (do latim Æneas, por sua vez do grego antigo Αἰνείας) é um personagem da mitologia greco-romana cuja história é contada na Ilíada, de Homero, e, sobretudo, na Eneida, de Virgílio.
Segundo a lenda, Eneias foi o mais famoso dos chefes troianos, filho da deusa Afrodite (a romana Vénus) e de Anquises, filho de Cápis, filho de Assáraco, rei da Dardânia.[1] Era casado com Creúsa,[2] filha do rei Príamo e de Hécuba.[3] Tinha um filho, Iulo (na literatura romana Ascânio).
Leia mais:

File:Pierre Corneille 2.jpg
Retrato de Pierre Corneille.


Pierre Corneille, mais conhecido por Corneille (Rouen6 de junho de 1606 — Paris1 de outubro de 1684) foi um dramaturgo de tragédias francês. Ele foi um dos três maiores produtores de dramas na França, durante o século XVII, ao lado de Molière e Racine.
Era chamado de "fundador da tragédia francesa", e escreveu peças por mais de 40 anos.
Leia mais:
Ato 3, Cena 6 (O Ballet no acampamento de Le Cid , em Le Cid ,em Le Cid, de Jules Massenet, como pode ser visto na edição de 5 de dezembro de 1885 da L'Illustration, que cobre sua estréia.

Le Cid é uma tragicomédia francesa de cinco atos,escrita por Pierre Corneille , apresentada pela primeira vez em dezembro de 1636 no Théâtre du Marais em Paris e publicada no mesmo ano. É baseado napeça de Guillén de Castro Las Mocedades del Cid . [1] A peça de Castro, por sua vez, é baseada na lenda de El Cid .
Um enorme sucesso popular, o Le Cid de Corneille foi objeto de uma polêmica acalorada sobre as normas da prática dramática conhecida como Querelle du Cid (discussão de The Cid ). A Académie Française, do cardeal Richelieu , reconheceu o sucesso da peça, mas determinou que ela era defeituosa, em parte porque não respeitava as unidades clássicas .
Hoje, Le Cid é amplamente considerado o melhor trabalho de Corneille e é considerado uma das maiores peças do século XVII.
Leia mais:

http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/NOVEMBRO/06-11-2019_arquivos/image016.jpg
Retrato de Ludwig van Beethoven. Óleo sobre tela de Joseph Karl Stieler. 1820.




Ludwig van Beethoven (Bonn, batizado em 17 de dezembro de 1770 — Viena26 de março de 1827) foi um compositor alemão, do período de transição entre o Classicismo (século XVIII) e o Romantismo (século XIX). É considerado um dos pilares da música ocidental, pelo incontestável desenvolvimento, tanto da linguagem como do conteúdo musical demonstrado nas suas obras, permanecendo como um dos compositores mais respeitados e mais influentes de todos os tempos. "O resumo de sua obra é a liberdade", observou o crítico alemão Paul Bekker (1882-1937), "a liberdade política, a liberdade artística do indivíduo, sua liberdade de escolha, de credo e a liberdade individual em todos os aspectos da vida".
Leia mais:


Vídeo com a

BEETHOVEN - Sinfonia nº 7 - Leonard Bernstein (2)

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/39/Laplace%2C_Pierre-Simon%2C_marquis_de.jpg
Retrato de Pierre-Simon de Laplace (1745-1827). Gravura de James Posselwith
File: Portrait de Jean Racine d'Après Jean-Baptiste Santerre.jpg
Retrato de Jean Racine depois de Jean Baptiste Santerre.

Jean Baptiste Racine (La Ferté-MilonAisne22 de dezembro de 1639[1] — Paris21 de abril de 1699) foi um poeta trágicodramaturgomatemático e historiador francês. É considerado, juntamente com Pierre Corneille, como um dos maiores dramaturgos clássicos da França.
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2d/Pierre-Jean_B%C3%A9ranger.jpg
  Retrato de Pierre-Jean de Béranger(1780-1857) por Ary Scheffer, vers. 1830.

Pierre Jean de Béranger (Paris19 de agosto de 1780 — Paris, 16 de julho de 1857), poeta, libretista e autor da letra de canções. Foi participante activo do movimento de convulsão social que se seguiu à Revolução Francesa e ao fim do Império, escrevendo algumas das canções mais emblemáticas do fervor revolucionário da época. No auge da sua fama, na década de 1830, comparou-se em popularidade a homens como Victor Hugo e Alphonse de Lamartine. Tendo a atravessado os tempos conturbados da Revolução Francesa e do consulado de Napoleão Bonaparte, deixou uma obra lírica vibrante que ainda hoje desperta o interesse do público erudito.
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/MAIO/14-05-2019_arquivos/image008.jpg
Voltaire.
Imagem/fonte:

François-Marie Arouet, mais conhecido pelo pseudônimo Voltaire (Paris21 de novembro de 1694 — Paris, 30 de maio de 1778), foi um escritorensaístadeísta e filósofo iluminista francês.[1]
Conhecido pela sua perspicácia e espirituosidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio, é uma dentre muitas figuras do Iluminismo cujas obras e ideias influenciaram pensadores importantes tanto da Revolução Francesa quanto da Americana. Escritor prolífico, Voltaire produziu cerca de 70 obras[2] em quase todas as formas literárias, assinando peças de teatropoemasromancesensaios, obras científicas e históricas, mais de 20 mil cartas e mais de 2 mil livros e panfletos.
Foi um defensor aberto da reforma social apesar das rígidas leis de censura e severas punições para quem as quebrasse. Um polemista satírico, ele frequentemente usou suas obras para criticar a Igreja Católica e as instituições francesas do seu tempo. Voltaire é o patriarca de Ferney. Ficou conhecido por dirigir duras críticas aos reis absolutistas e aos privilégios do clero e da nobreza. Por dizer o que pensava, foi preso duas vezes e, para escapar a uma nova prisão, refugiou-se na Inglaterra. Durante os três anos em que permaneceu naquele país, conheceu e passou a admirar as ideias políticas de John Locke.[2]          https://pt.wikipedia.org/wiki/Voltaire
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/c/cf/Anne-Louis_Girodet-Trioson_006.jpg/807px-Anne-Louis_Girodet-Trioson_006.jpg
Chateaubriand meditando sobre as ruínas de Roma. Óleo  sobre tela de Anne-Louis Girodet de Roussy-Trioson

François-René de Chateaubriand (nome completo: François René Auguste de ChateaubriandSaint-Malo4 de Setembro de 1768 — Paris4 de Julho de 1848), também conhecido como visconde de Chateaubriand, foi um escritor, ensaísta, diplomata e político francês que se imortalizou pela sua magnífica obra literária de caráter pré-romântico. Pela força da sua imaginação e o brilho do seu estilo, que uniu a eloquência ao colorido das descrições, Chateaubriand exerceu uma profunda influência na literatura romântica de raiz europeia, incluindo a lusófona. 
Leia mais:


http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/NOVEMBRO/20-11-2019_arquivos/image012.jpg
Delphine de Girardin



Delphine de Girardin
Ela nasceu em Aachen e batizou Delphine Gay . Sua mãe, a conhecida Madame Sophie Gay , criou-a no meio de uma brilhante sociedade literária. Sua prima era a escritora Hortense Allart . [1] Gay publicou dois volumes de miscelânea, Essais poetiques (1824) e Nouveaux Essais poétiques (1825). Uma visita à Itália em 1827, durante a qual ela foi entusiasticamente recebida pelos letrados de Roma e até coroada na capital, produziu vários poemas, dos quais o mais ambicioso foi Napoline (1833).
O casamento de Delphine em 1831 com Émile de Girardin abriu uma nova carreira literária. Os esboços contemporâneos que ela contribuiu de 1836 a 1839 para o La Presse , sob o nome de pluma de Charles de Launay , foram coletados sob o título de Lettres parisiennes (1843) e obtiveram um sucesso brilhante. Contes d'une ville fille a ses neveux (1832), La Canne de Monsieur de Balzac (1836) e Il ne faut pas jouer à la douleur (1853) estão entre os mais conhecidos de seus romances; e suas peças dramáticas em prosa e verso incluem L'École des journalistes (1840), Judith (1843),Cléopâtre (1847), Lady Tartuffe (1853), e as comédias de um ato, C'est la faute du mari (1851), La Joie fait peur (1854), Le Chapeau d'un horloger (1854) e Une Femme qui deteste filho mari , que não apareceu até depois da morte do autor, que ocorreu em Paris.
Madame Girardin exerceu considerável influência pessoal na sociedade literária contemporânea, e em sua sala de visitas encontravam-se frequentemente Théophile Gautier , Honoré de Balzac , Alfred de Musset e Victor Hugo . Seus trabalhos coletados foram publicados em seis volumes (1860-1861).

Delphine de Girardin faleceu aos 29 de junho de 1855. Embora desencarnada antes do surgimento da
Doutrina Espírita,ocorrido  em 18 de abril de 1857, na pátria espiritual integrou a  equipe  de espíritos
que ditaram mensagens  e  instruções que  Allan Kardec   estudou e inseriu  nas obras  da codificação.
“A desgraça real”,  por  exemplo,   foi  ditada  por  Delphine de Girardin  em  1861  e inserida em “O
Evangelho segundo o Espiritismo”,
http://www.noticiasespiritas.com.br/2018/OUTUBRO/27-10-2018_arquivos/image010.jpg
Cleópatra. Tragédia de  Delphine de Girardin.
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/MAIO/16-05-2019_arquivos/image011.jpg
Pintura mediúnica por Marilusa Moreira Vasconcelos trazendo assinatura de Leonardo da Vinci. Araçatuba, SP.
Foto Ismael Gobbo.
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/MAIO/16-05-2019_arquivos/image010.jpg
Pintura mediúnica pela médium Maria Gertrudes Coelho.
http://www.noticiasespiritas.com.br/2018/JANEIRO/13-01-2018_arquivos/image009.jpg
Pintura mediúnica pelo médium Orlando Padovan. Foto fornecida pelo médium
http://www.noticiasespiritas.com.br/2017/ABRIL/01-04-2017_arquivos/image024.jpg
Noite estrelada sobre o Ródano. Óleo sobre tela por Vincent van Gogh
Dinheiro de César. Entre 1600 e 1640. Por Rubens, atualmente no Fine Arts Museums of San Francisco, na Califórnia, nos Estados Unidos.
Ismael Gomes Braga