BLOG DE NOTÍCIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA.....ARAÇATUBA- SP

Atenção

"AS AFIRMAÇÕES, INFORMAÇÕES E PARECERES PUBLICADOS NESTE BLOG SÃO DE RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DE QUEM OS ELABOROU, ASSINA E OS REMETEU PARA PUBLICAÇÃO. FICA A CRITÉRIO DO RESPONSAVEL PELO BLOG A PUBLICAÇÃO OU NÃO DAS MATÉRIAS, COMENTÁRIOS OU INFORMAÇÕES ENCAMINHADOS."

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

NOTICIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA. 16-01-2019.

CLICAR AQUI:
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/JANEIRO/16-01-2019.htm

mundial
Instrução explicativa e prática das mesas girantes. Edição de 1853.*


(Este livro- edição de 1853 -  é anterior ao surgimento da Doutrina Espírita que foi codificada por Allan Kardec
aos 18 de abril de 1857 através de O Livro dos Espíritos. O fenômeno das Mesas Girantes acontecia em diversos
recantos do mundo, como em Constantinopla, atual Istambul, na Turquia, conforme se verifica no texto da
Revista Espírita de 1861, acima reproduzido.
 Istambul*  com seus inumeráveis minaretes vista do topo da Torre de Gálata. Turquia. Foto Ismael Gobbo.

* Antiga Constantinopla.
Moeda com esfinge do imperador  Constantino *. Foto Ismael Gobbo.
Museu Nacional de Arte Romano. Mérida, Espanha.


* Constantino deu nome de Constantinopla à cidade que hoje é chamada Istambul, na Turquia. Tornou-a a capital do
Império Romano em 11 de maio de 330. A cidade teve outros nomes ao longo do  tempo.
IMG_6056_1200x800 (2)
IMG_6090_1200x800 (2)
Algumas fotos da conferência por Divaldo Pereira Franco em
Istambul, Turquia, aos 31 de junho de 2010. Fotos Jorge Moehlecke.
Mosaico representando a antiga cidade de Sebastes (atual Sebastia, perto de Nablus, Cisjordânia) na Igreja de Santo Estevão localizada em Umm Rasas, na Jordânia.
Ruinas de Sebastes, Samaria, em 1910.

...............................
.................
...........
Escavações em Sebastia indicam que o lugar começou a ser habitada no Calcolítico , cerca de 4000 aC , em fevereiro De acordo com Josephus , antes de Herodes I renombrase as pessoas em honra de César Augusto , seu nome original era Samaria . 6 . Com a mudança de nome, Herodes, o Grande queria para dedicar a cidade ao imperador Augustus (do latim adjetivo "Augustus" em grego se diz sebastos , de onde vem o seu novo nome).

Leia mais:

Colunas de época herodiana de  Sebastes.
 Episódios de guerra gravados na Coluna de Trajano, Roma, Itália. Foto Ismael Gobbo
Coluna de Trajano. Roma, Itália. Foto Ismael Gobbo
Jesus e o jovem rico. Pintura de Heinrich Hoffmann.
Confraternização Brasileira de Juventudes Espíritas da Regional Sul – CONBRAJE – SUL
realizada de 4 a 7 de  setembro de 2015, em Guarulhos/SP

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

NOTICIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA. 15-01-2019.

CLICAR AQUI:
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/JANEIRO/15-01-2019.htm

Auto retrato de Anthony van Dick. Óleo sobre tela.
Rosas. Aquarela  por Margaret Stoddart.
Imagem/fonte:
Espíritos Afins. Óleo sobre tela de Asher Brown Durand. 1849.


Kindred Spirits (1849) é uma pintura de Asher Brown Durand , membro da Escola de Pintores do Rio Hudson . Retrata o pintorThomas Cole , que morreu em 1848, e seu amigo, o poeta William Cullen Bryant , nas Montanhas Catskill . A pintura de paisagem, que combina características geográficas em Kaaterskill Clove e uma minúscula representação de Kaaterskill Falls , não é uma representação literal da geografia americana. Pelo contrário, é uma lembrança idealizada da descoberta de Cole da região há mais de vinte anos, sua amizade com Bryant e suas idéias sobre a natureza americana.
 
O criminoso “A mancha do crime”. Óleo sobre tela de Ramon Martí Alsina.
Museu Nacional de Belas Artes. Barcelona, Espanha. Foto Ismael Gobbo

O Livro dos Médiuns, assinado por Allan Kardec e lançado em janeiro de 1861
Estátua em mármore de Atena (Minerva). Séc. I, Museu do Louvre, Paris, França. Foto Ismael Gobbo

domingo, 13 de janeiro de 2019

NOTICIAS DO MOVIMENTO ESPIRITA. 14-01-2019.

CLICAR AQUI:
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/JANEIRO/14-01-2019.htm

Robert Dale Owen na década de 1840.


Robert Dale Owen (Glasgow, 7 de novembro de 1801 – Lake George, 24 de junho de 1870) foi um reformador social norte-americano de origem escocesa. Foi expoente de longa data nos Estados Unidos das doutrinas socialistas de seu pai, Robert Owen, bem como um político no Partido Democrata. Também serviu no Congresso como membro da Câmara dos Representantes entre 1843 a 1847, embaixador no Reino das Duas Sicílias e legislador estadual da Indiana.[1][2]
Mulher dando esmola. Óleo sobre tela por János Thorrma.
As saudosas Therezinha Oliveira e Cynira Barros de Macedo Carmini em Araçatuba, SP. Foto Ismael Gobbo
Jesus caminhando sobre as águas. Óleo sobre tela de Ivan Aivazovsky

Um pouco da vida e da obra de dona Cynira Barros Macedo Carmini

Nasceu em Batatais, SP, aos 17 de novembro de 1928, filha de Antonio Paulino de Macedo e de dona Gabriela Garcia de Macedo. Viúva por duas vezes, deixa do segundo casamento com José Miragaia Carmini, os filhos Marco Antonio e Paulo, casados respectivamente com Ana Marta e Vera. Deixa a neta Priscilla filha de Paulo e Vera. Depois de passar por problemas de saúde, últimamente alternou a casa com internamentos no hospital, recebendo a ajuda dos familiares, dos amigos e abnegadas colaboradoras que velaram pela sua saúde física e espiritual. Desencarnou na tarde/noite deste sábado, 12-01-2019, em Araçatuba, SP.,  onde será sepultada no Cemitério da Saudade, neste domingo, às 16 horas.

-----

A Professora Cynira

Dona Cynira se formou como professora primária na Escola Normal “Manoel Bento da Cruz em Araçatuba, SP, iniciando suas atividades de educadora de forma muito difícil como se constata  num dos relatos de Cynira  ao sr. Dias Varela no trabalho que este elaborou intitulado:  “MEMÓRIAS DA PROFESSORA PRIMÁRIA CYNIRA
“No princípio de maio de 1952, a pedido da fazendeira Urisbella Duarte, quando era prefeito Dr. Valadão Furquim, fui nomeada para lecionar na Escola Municipal da Fazenda Santa Maria, de Antenor Duarte, no bairro Córrego Azul, Araçatuba.
A escola era de madeira, tendo a sala de aula, ao lado comunicando por uma porta, o meu quarto e um banheiro, cujo chuveiro era estilo “Tiradentes”, isto é: descia-se a corda por uma carretilha, punha-se 20 litros de água, puxava-se a corda e a prendia a um gancho e o banho tinha que ser rápido, para não acabar a água.  Como vêem eu tinha uma “suíte” na escola.
Eu não morava na sede da fazenda, que é ótima, porque era longe, e eu lecionava curso de adulto á noite. D. Urisbella, no entanto, era muito atenciosa e incumbiu uma empregada, da fazenda, para me fornecer as refeições”
Outro relato do mesmo trabalho:
“Certo dia um aluno chamado Antonio faltou e no dia seguinte, quando eu estava explicando matemática, olhei para o Antônio e ele estava cochilando. Para despertá-lo eu brinquei: “está pescando, Antonio?”. E ele assustado me respondeu: Ah, professora, só consegui um peixinho e nem deu para trazer algum para a senhora! A risada foi geral, mas o Antonio despertou e prestou atenção. Soube que hoje ele é abastado comerciante.”
E a luta de dona Cynira, cheia de peripécias e passando muito perigo prosseguia pelas fazendas da região onde tinha de atravessar o rio de balsa ou de bote, enfrentar o perigo de cobras venenosas, viajar em cima de caminhões carregados de toras, montar a cavalo, dentre outras situações difíceis que traziam enormes preocupações para os pais. E assim passou por outras regiões como em escola na estrada que ligava Presidente Venceslau a Dracena e em Machado de Melo nas proximidades de Mirandópolis.
Casando-se dona Cynira se transferiu para Carapicuiba passando a lecionar na E.E.P.G. do bairro Vila Caldas. Um ano e meio depois de casada perdeu o marido vítima de um tumor cerebral.
Após lecionou na E.E.P.G. Eloi Lacerda, na parada Antônio João, perto de Osasco.
Depois de três anos de viuvez casou-se em segundas núpcias com José Miragaia Carmini no ano de 1960.
Do consórcio nasceu o filho Marco Antonio, o “Tuca” que,  experimentando um problema cardíaco sério e por orientação médica deveria residir em região de clima mais quente e seco. Cynira retornou para Araçatuba e passou a lecionar novamente na zona rural no chamado Patrimônio da Mata. Fez muitas viagens para São Paulo onde Marco Antonio foi tratado pelos drs Radi Macruz e passado por cirurgia pelas mãos do Dr. Zerbini. Em Araçatuba era tratado por Dr. Luiz Geraldo Fonseca por quem dona Cynira nutre enorme admiração e reconhecimento.
Lecionou  no EEPG Índio Poti e no final de 1978,  se mudou para Campinas para onde o marido foi transferido. Por problemas de falta de Concurso de Remoção foi obrigada a fazer viagens no trajeto Campinas para Araçatuba para lecionar de 2ª a 6ª feiras e retornar para Campinas onde deixara o marido e os filhos Marco Antonio e Paulo
Saindo uma  readaptação começou a lecionar na EEPG Benedito Sampaio próxima da sua residência em Campinas.
Em seguida lecionou na EEPG Professora Ana Rita Godinho Pousa onde, depois de trinta e cinco anos lecionando da 1ª. à 4ª. série do 1º. Grau (antigo primário), aposentou-se no dia 30 de janeiro de 1987.

(Dados colhidos no trabalho de Dias Varela acima mencionado)

-----


A vida Espírita de Dona Cynira
Nas conversas que mantivemos  com Dona Cynira esta nos contava de forma reiterada a sua aproximação com a médium Irma Ragazzi Martins um dos vultos de destaque do movimento espírita de Araçatuba. Nos momentos difíceis por que passava era a ela que recorria em busca de uma orientação ou  consolo.
Posteriormente se fixou na Instituição Nosso Lar, entidade à qual esteve vinculada até hoje na prestação de relevantes serviços nas mais diversas atividades. Muito difícil, quiçá impossível,  enumerar tudo o que fez quer nas atividades doutrinárias como nas assistenciais.
Médium de inquestionáveis recursos, sobretudo pela fidelidade e humildade, nas reuniões presididas por Rolando Perri Cefaly e Dona Emília Santos, ao final os participantes tinham a oportunidade de sorver as palavras sábias de sua mentora espiritual, a sua avó Laura Cândida de Macedo.
Com tempo escasso pelos deveres profissionais e doenças em família ainda encontrava tempo para ensinar bordado para as crianças, adolescentes e adultos realizados pela instituição e expostos nos bazares que  eram realizados nas dependências da Casa da Sopa Emilia Santos.
Cozinheira e doceira de mão cheia fazia de tudo para os “Chás Beneficentes”  realizados pela instituição ajudando na organização e venda dos convites.
Durante muitos anos, mesmo com algumas dificuldades físicas, deu plantão na Banca do Livro Espírita na Praça Rui Barbosa.
Quando residiu na cidade de Campinas prestou sua inestimável colaboração no Centro Espírita Allan Kardec onde contava com a amizade e admiração da inesquecível Terezinha Oliveira.
No dia-a-dia, foi a caridade em pessoa. Só quem conviveu com Dona Cynira pode avaliar ainda que de forma tímida e incompleta o quanto essa criatura ajudou. Desde alunos da escola com deficiências que ela praticamente carregava no colo como inumeráveis pessoas e famílias necessitadas que ela se preocupou em ajudar mesmo sacrificando o seu próprio orçamento.
Até dias atrás Dona Cynira realizava o Culto do Evangelho no Lar, fazendo o estudo e vibrações para dezenas de pessoas necessitadas mesmo  já com dificuldades para pronunciar os nomes dos beneficiados.
Neste breve texto, escrito no momento em que seu corpo é velado, eu particularmente posso afiançar do fundo do coração que perdi um talento insubstituível que me serviu de esteio por quase seis décadas. Para mim, Ismael Gobbo, o espigão divisor existe: Antes e depois de Dona Cynira Barros de Macedo Carmini. Se estivesse encarnada me chamaria atenção porque sempre me cortou a conversa quando esboçava algum elogio à sua pessoa.  Agora, no mundo espiritual, vai verificar que os elogios saiam do coração e a espiritualidade dirá que não houve nenhum exagero. Dona Cynira,  meu muito obrigado. Tínhamos um pacto de que o que fosse primeiro iria ajudar o outro. Preciso muito da senhora e da sua ajuda!
(Ismael Gobbo)

Os meninos Paulo e Marco Antonio, dona Cynira o esposo José e familiares e José com o filho.
Aniversário de Marco Antonio (Tuca) o menor entre o bolo e dona Cynira, Zézinho, o pai, com Paulo no colo.
Tuca e Paulo e o pai Zezinho.
As saudosas Therezinha Oliveira e Cynira Barros de Macedo Carmini em Araçatuba, SP. Foto Ismael Gobbo
Dona Cynira em foto com os filhos Marco Antonio e Paulo no seu aniversário de 90 anos.
Laura Cândida de Macedo, avó e mentora espiritual da médium Cynira.
Dona Cynira e Dona Joana em comemoração de aniversário na Instituição Nosso Lar
acompanhadas de Gracia e Vilma, filhas de Joana. Fotos Ismael Gobbo
Cidinha e Dona Cynira em fazenda da família de Cynira em Batatais, sua terra natal. Foto Ismael Gobbo
Cynira em casa da fazenda de familiares em Batatais. Foto Ismael Gobbo.
Cynira e Cidinha na Igreja Matriz Bom Jesus da Cana Verde, em  Batatais, rica em obras de Cândido Portinari.
Foto Ismael Gobbo
A alegria da vovó Cynira com a neta Priscilla.

sábado, 12 de janeiro de 2019

Dona Cynira, uma espírita-exemplo que retorna para a pátria espiritual

É com dor no coração que noticiamos a desencarnação de dona Cynira Barros de Macedo Carmini, na tarde/noite deste sábado 12-01-2019, em Araçatuba, SP.  Dona Cynira,  como todos a conhecem, passou por problemas de saúde de forma resignada e sem queixumes embora experimentando dores atrozes nos últimos dias. Um exemplo para todos: médicos, enfermeiros, amigas que dela cuidaram em casa e no hospital, parentes e amigos. Uma lacuna enorme para os que nela se apoiavam para uma palavra amiga, um consolo, uma orientação. É nessa ausência que justificamos a tristeza, porquanto, viver sem sua presença física não deixa de ser uma lacuna só contornável pela certeza de que,  em breve, ela continuará ajudando a todos nós com o amor que sempre dispensou a todos. Dona Cynira deixa os filhos Marco Antonio e Paulo, respectivamente casados com Ana Marta e Vera, e a netinha-xodó Priscila, filha de Paulo e Vera.
O velório ocorrerá a partir das 23 horas deste sábado, na Capela Cardassi, em Araçatuba, SP, com o sepultamento marcado inicialmente  para as 16 horas deste domingo no Cemitério da Saudade. (Ismael Gobbo).
Em texto posterior daremos maiores detalhes.

Desencarnação da trabalhadora espírita Hélia Camargo Pinto Teixeira Alves. Araçatuba, SP

Foi com surpresa que recebemos a notícia da desencarnação da querida amiga de ideal espírita, Hélia Camargo Pinto Teixeira Alves na manhã desta sexta-feira, 11-01-2019, na cidade de Araçatuba, SP, aos 67 anos de idade. Hélia,  casada com o amigo João Teixeira Alves deixa as filhas Andrea ( mãe de Guilherme, Antonio e Lucas),  e Melina. Hélia tinha por pais, já desencarnados, dona Maria de Lourdes Camargo Pinto e Almiro de Geronimo Pinto, vultos muito conhecidos no movimento espírita de Araçatuba e região. Hélia, o esposo João, as filhas e netos, vinculados à AEVV- Aliança Espírita Varas da Videira sempre prestaram relevantes serviços à casa e seu departamento Casa da Caridade.  Externamos ao João, filhas e netos, demais familiares e amigos os nossos mais profundos sentimentos. À Hélia a nossa prece e o agradecimento sincero pela amizade sólida e feliz durante tantos anos. O velório está sendo realizado na Capela Cardassi e o sepultamento será na manhã deste sábado, às 9 horas. (Ismael Gobbo).

Hélia Camargo Pinto Teixeira Alves
Hélia, segunda a partir da esquerda e abaixo na confecção de Canelone na AEVV.
Hélia de óculos na Casa da Caridade
Hélia, de camiseta verde à direita, em grupo de estudos da AEVV.
Hélia, a terceira a partir da direita na AEVV.  
João Teixeira, no centro, ao lado da esposa Hélia, de óculos, na festa de 50 anos da AEVV.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

NOTICIAS DO MOVIMENTO ESPÍRITA. 12-01-2019.

CLICAR AQUI:
http://www.noticiasespiritas.com.br/2019/JANEIRO/12-01-2019.htm

Joana D’Arc. Quadro de Jules Bastien Lepage
Brutus vê o “fantasma” de César. Pintura por Alexandre Bida.
Uma pintura do final do século 19 do Ato IV, Cena III de Júlio César de Shakespeare: Brutus vê o fantasma de César.
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5d/Ward_in_the_Hospital_in_Arles.jpg
Enfermaria do hospital em Arles. Óleo sobre tela de Vincent van Gogh
Hélia Camargo Pinto Teixeira Alves
            Desencarnada aos 11-01-2019.
Cristo no Mar da Galiléia. Óleo sobre tela por Jacopo Tintoretto.
Imagem/fonte:
Cristo na tempestade no Mar da Galileia.. Óleo sobre cobre de Jan Brueghel o velho 
Imagem/fonte:
Mar da Galiléia. Israel. Foto Ismael Gobbo.




O maior lago de água doce de Israel , o Lago Tiberíades, também é conhecido como o Mar de Tiberíades, o Lago de Genesaré, o Lago Kinneret e o Mar da Galiléia. O lago mede pouco mais de 21 quilômetros de norte a sul e tem apenas 43 metros de profundidade. O lago é alimentado em parte por nascentes subterrâneas relacionadas aosetor da Jordânia do Grande Vale do Rift, mas a maior parte de sua água vem do rio Jordão, que entra do norte. O curso sinuoso do rio pode ser visto drenando a extremidade sul do lago no fundo da imagem. Os padrões de campo angulares verdes e marrons cobrem a maioria das encostas nesta paisagem árida. Telhados brilhantes são a marca registrada de várias aldeias da região. O maior agrupamento de telhados brilhantes e quarteirões da cidade indica a localização de Tiberíades (em homenagem ao imperador romano Tibério), visível à imagem deixada na margem sudoeste do lago.


Jesus centralizou seu apostolado às margens do Mar da Galiléia, sobretudo na cidade de Cafarnaum. Dali partiu para outras regiões em pregações, inclusive em Jerusalém, onde foi crucificado. O Mar da Galiléia é um lago de água doce que recebe as águas do Rio Jordão.